Editorial

Um outro futebol é possível

São Paulo sediará de 01 a 12 de julho, o Mundial de Futebol
de Rua. Delegações de 20 países desembarcarão no Brasil
para disputar este torneio, cujas partidas oficiais acontecerão em duas arenas especialmente montadas para o evento, uma no Largo da Batata e outra na Avenida Ipiranga. São mais de 300 jogadores e jogadoras vinculados a organizações que atuam com jovens e adolescentes em situação de vulnerabilidade social, especialmente em áreas de pobreza urbana, ou seja, em periferias e favelas. Através deste Mundial, o Brasil e, especialmente a capital paulista, poderá demonstrar ao Mundo que um outro futebol é possível. Um futebol mais colaborativo do que competitivo. Uma prática esportiva baseada em princípios democráticos, de respeito à diversidade e que promove a igualdade de gênero. Um futebol despojado de estratégias marqueteiras e táticas comerciais
excludentes. O Mundial de Futebol de Rua é praticado em 64 países, o Futebol de Rua tornou-se uma ação de grande mobilização internacional. Na América Latina, vários países se articularam no Movimiento de Fútbol Callejero a fim de promover iniciativas de formação e promoção desta prática esportiva. A Ação Educativa passou a integrar esta Rede e vem implementando vários polos de futebol de Rua na periferia de São Paulo. O Futebol de Rua é jogado com equipes mistas de homens e mulheres. As regras são organizadas a partir de eixos como cooperação, solidariedade e respeito. Dessa forma um gol feito coletivamente vale mais que um gol surgido do

 

virtuosismo de um(a) só atleta. Há no Brasil diversos grupos e organizações que praticam o Futebol de Rua e outras formas de futebol libertário. As experiências, no entanto, estão dispersas. O processo de realização do Mundial no País será uma oportunidade para articular essas diferentes iniciativas e fortalecer o movimento. Até o final do ano criaremos no Brasil uma rede de futebol colaborativo, uma articulação de práticas de futebol não competitivo e que promova os direitos humanos e a cidadania. A Ação Educativa está empenhada na tarefa de organizar o Mundial em São Paulo em parceria com a FUDE – Fundación Fútbol para el Desarollo, da Argentina, organização fundada por Fabian Ferraro, ex jogador de futebol criador e da metodologia do Fútbol Callejero. Para implementar esta grande missão contamos com o apoio da Terre Des Homes e do Comitê dos Trabalhadores da Volkswagen. Contamos também com o indispensável apoio da Prefeitura de São Paulo, especialmente da Secretaria de Cidadania e Direitos Humanos e do SP Copa e de muitos outros colaboradores e patrocinadores. Vem pra rua! Participe do Mundial de Futebol de Rua acompanhando os jogos e a programação cultural e ajude a implementar o Mundial de Futebol de Rua no Brasil.