Editorial

É tempo de leitura!

“Eu canto porque o instante existe
E minha vida está completa
Não sou alegre nem sou triste
Sou poeta”
Cecília Meireles

A periferia de São Paulo estará coberta de livros em novembro. E é um bom momento para as letras tomarem conta dos arrabaldes. As comemorações do centenário de Carolina Maria de Jesus ganham um brilho especial no mês da
consciência negra. A autora de Quarto de Despejo será lembrada em inúmeros eventos não só nas periferias. Em novembro também será lembrado os 50 anos de morte da poeta Cecília Meireles, uma autora do cânone que é muito saudada nos saraus periféricos. Três eventos justificam nossa apologia à leitura deste editorial. O primeiro é o Festival do Livro e da Leitura de São Miguel Paulista, que ampliou ainda mais sua programação. Tendo como bases principais o CDC Tide Setúbal e uma universidade do bairro, o Festival se espraiou pelas bibliotecas públicas da região, mobilizou coletivos literários e artistas de outras linguagens, diversificando as abordagens. Com isso, este evento, demonstra que a literatura está presente e pode ser degustada no teatro, na música, cinema, dança e artes visuais. Isso é interessante, pois retira do livro o monopólio da literatura. O acesso e o gosto pela leitura pode ser despertado

 

também por meio das outras artes. O cantor e compositor Fagner, por exemplo, certamente formou muitos leitores para poetas como Florbela Espanca, Ferreira Gullar e a Cecília Meirelles , autores que tiveram poemas musicados pelo artista cearense. Muita gente leu um romance depois de ter visto sua adaptação para o cinema ou em telenovelas. Nesse sentido é interessante destacarmos na capa desta edição um poeta que está lançando um filme num evento de leitura. Os organizadores do Festival de São Miguel estão de parabéns pela grandeza do encontro, mas também pela radicalização nas interações estéticas. No extremo da Zona Sul, acontecerá o evento autoproclamado Primeiro Congresso de Escritores da Periferia de São Paulo. Realizado na Fábrica de Cultura do Jardim São Luiz, este evento dedicar-se-á, principalmente , a promover discussões de interesse dos literatos periféricos, tais como: incentivo à produção literária, mulher na literatura, literatura negra, mercado editorial e o Plano Municipal do Livro e da Leitura, discussão esta, extremamente importante e pouco disseminada na periferia. Assim como no Festival de São Miguel, este evento também terá feira de livros da literatura periférica. Congratulações ao Coletivo Desenrola que organiza o congresso com o apoio do Programa VAI da Prefeitura de São Paulo Além desses dois grandes eventos, o escritor Ferréz levará Paulo Lins para seu Encontro da Literatura Marginal na Fábrica de Cultura do Capão Redondo e o Marcelino Freire fará mais uma edição da sua já tradicional Balada Literária, cujo homenageado desta edição será o festejado cartunista Laerte. O circuito cultural periférico estará, portanto, tomado pelas letras, sobretudo as negras, homenageando Carolina, Cecília, Jeniffer, Elizandra, Cidinha, Dinha, Mel Duarte, Ana Paula Risos e tantas outras poetas que, alegres ou tristes, fazem este mundo ser melhor com sua escrita.